Morando Sozinha e o Medo de “Ficar Só”

Fiquei super em dúvida de fazer esse post, por ser uma questão bem particular e que poucas pessoas entendem. MAS… talvez tenham leitores com o mesmo “problema” e assim podemos contribuir uns com os outros.

Vamos lá!

Estou morando sozinha! Rodrigo viajou a trabalho e aqui estou eu no México longe de tudo e de todos. Confesso que sou uma pessoa que me adapto muito fácil, sinceramente não tenho problemas com isso.

Ok, faz apenas três dias que ele viajou… Mas o X da questão é o meu “problema” com o MEDO. Eu tenho um medo “incontrolável” de ficar só, não ficar só sem o marido, mas de fazer as coisas sozinha. Não sei se vou conseguir explicar. Mas eu tenho medo de tudo que se move.

Quando desci para me despedir de Rodrigo e precisei voltar sozinha para o apartamento (eram 4h da manhã), foi um caminho interminável. A recepção do prédio estava escura, eu estava só e o elevador que normalmente desce e sobre dentro de 10s, passou hooooras para me levar de voltar para o nosso andar. Sem falar em todos os sons que você escuta e pensamentos que você começa a ter, enquanto tudo isso acontece.

Cheguei no apartamento, tranquei a porta e tentei voltar a dormir. Mas eu não podia dormir sem antes checar a porta algumas vezes (não contei). Ah mais isso é normal Vanessa, foi a primeira vez que você ficou sozinha, literalmente. E as horas foram passando… Não ia conseguir dormir, comecei a assistir série pra tirar minha tensão.

Nosso prédio é recém construído e tem pouquíssimos moradores, dificilmente alguém passa pelo nosso corredor. Mas naquela manhã TODO O MUNDO resolveu visitar nosso andar, muita gente falando, muita gente passando de um lado para o outro e meu desespero só aumentando.

Ok Vanessa, se acalme, você pode se controlar, você é adulta (eu tendo um diálogo comigo mesmo). Isso não passa de um medo idiota que você alimentou. Sim, eu tenho consciência e certeza disso. Mas aí… bateram na porta… Aí meu coração! E agora o que eu faço, estou de pijama. E Novamente bateram na porta… Mas dessa vez me concentrei e percebi que a batida era na porta do apartamento ao lado. UFA!

Knock_penny

 

Esse MEDO começou quando fui assaltada. O cara me abordou com uma faca de cozinha no meu pescoço e eu consegui escapar (quem me conhece pessoalmente, vai começar a entender o porque que deixei de ir pra algum lugar). Sempre fui muito atenta e já escapei de várias tentativas de assalto por ser MUITO ligada em tudo que acontece ao meu redor. Mas essa situação só me deixou muito mais assustada e com o tempo só foi piorando.

Dificilmente vou a algum lugar sozinha e hoje em dia as vezes que saiu sozinha, é muito perturbador/tenso. E saio, praticamente, SÓ com a roupa do corpo. Antes de vir para o México, precisei ir encontrar minha mãe no trabalho dela. OMG! Foi horrível! Passei 40min esperando o ônibus e tudo aconteceu pra me deixar mais nervosa.

Então, como eu acredito que na nossa vida nada acontece por acaso, essa será uma experiência e tanto. Hoje já estou bem mais tranquila que no primeiro dia, já não fico checando a porta de 10 em 10 minutos. Acreditem, isso pra mim é uma evolução e tanto. Quero me livrar desse terrível sentimento.

E você? Qual seu maior medo? O que tem te prejudicado de alguma forma?

Um beijo,

Vanessa Melo ❤

Filmes: As Above, So Below e The Pyramid

Olá pessoal,

Hoje vim dar uma dica sobre filmes que assisti recentemente (Tô atrasada!!!) e adorei. Vou separar por categoria, então fiquem de olho no próximos posts.

As Above, So Below (Assim na terra como no inferno) e The Pyramid (A pirâmide) são classificados como filme de terror, mas a melhor parte é que tem conteúdos históricos. E isso me chama bastante atenção antes de assistir qualquer filme, gosto de aprender alguma coisa nos longas que assisto, nem que seja lição de vida (rsrsrs). Claro que incrementam a história pra ficar mais emocionante (E essa é a hora dos sustos e gritos 🙂 🙂 🙂 ), mas não fogem totalmente do que aprendemos com nossos professores de história.

Os dois filmes tem como protagonista duas jovens arqueólogas (Que são bastante curiosas por sinal, e ainda levam um bando de gente junto com elas… Convincentes!). Trazem sensação de realismo com suas câmeras de mão e primeira pessoa, como REC. Levam seus namorados (além das outras pessoas) para essa expedição incrível, sem eles saberem que pode não voltar vivos (Mulher consegue tudo gente rsrsrsrs). E durante todo o filme vamos conhecendo toda a história e seus respectivos lugares, acho isso o máximo, conhecer vários lugares históricos sem nem precisar sair de casa. E se um dia eu for nesses lugares vou lembrar das histórias (E dos filmes), quem sabe dou uma de arqueóloga e levo Rodrigo para fazer alguma exploração (rsrsrsrs).

Então é isso gente, assistam. Tenho certeza que vão gostar, aprender e se assustar assim como eu (Mas sou dura na queda, e vou continuar assistindo, adoro) ❤ ❤ ❤ ❤ ❤

Um beijo,

Melo

A Decisão de casar.

Olá pessoal,

Decidi fazer esse post porque vez por outra aparece uma pessoa nos fazendo a seguinte pergunta: “Estou em um relacionamento a um certo tempo. Qual a hora certa pra casar?” Percebendo isso, pesquisei e vi que realmente as pessoas tem esse tipo de questionamento, a pessoa já encontrou a “alma gêmea” mas não sabe o momento certo para casar, por inúmeros motivos: financeiro, insegurança da vida de casado, moradia, objetivo de vida entre outros.

Não vim aqui com “soluções tabajaras” para você resolver sua vida e sim para esclarecer algumas coisas. Como por exemplo:

– Como surgiu a decisão de casar? Rodrigo, falou sobre isso nesse post “Palavras do noivo 2: E esse papo de casamento?”

– Quero casar mas não tenho condições financeiras. E já tenho um namoro cristão a 5 anos (exemplo), o que devo fazer? 

  • Se você ainda não tem uma carreira profissional para ficar seguro e poder casar, procure se especializar na sua área ou no que você gosta de fazer. Procure pessoas que possam te guiar e aumentar seu Networking. Corra atrás e continuem firmes.
  • Não mudem de carreira profissional por causa da pressa pra casar, isso pode ser um problema no futuro. Situações financeiras e profissionais não realizados com a carreira, sempre são um problema dentro de um casamento. E mude de carreira SIM, se esse for desejo do seu coração.
  • Se você já tem uma carreira e quer investir nela antes de casar, faça. Faça o que te deixa seguro. O nosso caso foi esse, tivemos oportunidades de crescer profissionalmente e investimos nela antes de casar. Foi o que funcionou para nós. E sempre tomamos as decisões juntos, isso é muito importante dentro do relacionamento: O Diálogo.
  • E o mais importante: ESPERE NO SENHOR, ELE TEM O MELHOR PARA NÓS. 

– Tenho medo que tudo mude dentro do relacionamento, depois que casar. Começar um relacionamento com medo é ruim em qualquer situação, e casamento não é diferente. Você tem que iniciar um relacionamento tendo a noção que as pessoas mudam durante a vida, mas o que elas realmente são (personalidade) nunca mudará. Passamos por fases durante a vida, uma pessoa de 30 anos não vai ter o mesmo pensamento/atitude de quando era adolescente. E ninguém muda quando casa, a diferença é que você não convivia com essa pessoa debaixo do mesmo teto, isso é que faz as pessoas pensarem que seu cônjuge mudou de uma hora pra outra. Então, essa tal mudança que algumas pessoas falam nada mais é do que a convivência na mesma casa, e isso é difícil até para família. CASE, E VÁ APRENDER JUNTO COMO SEU CÔNJUGE COMO É VIVER EM UM ÚNICO LAR. Reajustes no relacionamento serão feitos para o resto da vida, como falei antes, as pessoas tem fases durante a vida. 

– Temos sonhos e objetivos de vida diferentes. Queremos diferentes caminhos. Um casal que se preze precisa viver junto, digo sonhar, planejar e executar tudo isso unido. Claro que existem divergências, mas com o diálogo instalado na essência do relacionamento, consegue-se conversar e resolver. Rodrigo tem uma profissão totalmente diferente da minha, mas eu compreendo o caminho que ele precisa trilhar e ele compreende o meu, dessa forma vamos nos apoiando um no outro e vamos moldando nossa vida de acordo com nossas necessidades. Apoiar o seu cônjuge é uma tarefa essencial para o crescimento saudável dessa família.    

É isso pessoal, se vocês tem o sonho de casar e viver para sempre juntos, precisam se esforçar para deixar o medo e individualismo de lado. Mesmo com todos os conflitos (que ninguém além de vocês precisa saber, vale ressaltar) internos e externos, lutem juntos. Sejam melhores amigos em primeiro lugar, assim o outro sempre vai estar te acompanhando, te ajudando e te entendendo.

Um beijo,

Melo.