A Decisão de casar.

Olá pessoal,

Decidi fazer esse post porque vez por outra aparece uma pessoa nos fazendo a seguinte pergunta: “Estou em um relacionamento a um certo tempo. Qual a hora certa pra casar?” Percebendo isso, pesquisei e vi que realmente as pessoas tem esse tipo de questionamento, a pessoa já encontrou a “alma gêmea” mas não sabe o momento certo para casar, por inúmeros motivos: financeiro, insegurança da vida de casado, moradia, objetivo de vida entre outros.

Não vim aqui com “soluções tabajaras” para você resolver sua vida e sim para esclarecer algumas coisas. Como por exemplo:

– Como surgiu a decisão de casar? Rodrigo, falou sobre isso nesse post “Palavras do noivo 2: E esse papo de casamento?”

– Quero casar mas não tenho condições financeiras. E já tenho um namoro cristão a 5 anos (exemplo), o que devo fazer? 

  • Se você ainda não tem uma carreira profissional para ficar seguro e poder casar, procure se especializar na sua área ou no que você gosta de fazer. Procure pessoas que possam te guiar e aumentar seu Networking. Corra atrás e continuem firmes.
  • Não mudem de carreira profissional por causa da pressa pra casar, isso pode ser um problema no futuro. Situações financeiras e profissionais não realizados com a carreira, sempre são um problema dentro de um casamento. E mude de carreira SIM, se esse for desejo do seu coração.
  • Se você já tem uma carreira e quer investir nela antes de casar, faça. Faça o que te deixa seguro. O nosso caso foi esse, tivemos oportunidades de crescer profissionalmente e investimos nela antes de casar. Foi o que funcionou para nós. E sempre tomamos as decisões juntos, isso é muito importante dentro do relacionamento: O Diálogo.
  • E o mais importante: ESPERE NO SENHOR, ELE TEM O MELHOR PARA NÓS. 

– Tenho medo que tudo mude dentro do relacionamento, depois que casar. Começar um relacionamento com medo é ruim em qualquer situação, e casamento não é diferente. Você tem que iniciar um relacionamento tendo a noção que as pessoas mudam durante a vida, mas o que elas realmente são (personalidade) nunca mudará. Passamos por fases durante a vida, uma pessoa de 30 anos não vai ter o mesmo pensamento/atitude de quando era adolescente. E ninguém muda quando casa, a diferença é que você não convivia com essa pessoa debaixo do mesmo teto, isso é que faz as pessoas pensarem que seu cônjuge mudou de uma hora pra outra. Então, essa tal mudança que algumas pessoas falam nada mais é do que a convivência na mesma casa, e isso é difícil até para família. CASE, E VÁ APRENDER JUNTO COMO SEU CÔNJUGE COMO É VIVER EM UM ÚNICO LAR. Reajustes no relacionamento serão feitos para o resto da vida, como falei antes, as pessoas tem fases durante a vida. 

– Temos sonhos e objetivos de vida diferentes. Queremos diferentes caminhos. Um casal que se preze precisa viver junto, digo sonhar, planejar e executar tudo isso unido. Claro que existem divergências, mas com o diálogo instalado na essência do relacionamento, consegue-se conversar e resolver. Rodrigo tem uma profissão totalmente diferente da minha, mas eu compreendo o caminho que ele precisa trilhar e ele compreende o meu, dessa forma vamos nos apoiando um no outro e vamos moldando nossa vida de acordo com nossas necessidades. Apoiar o seu cônjuge é uma tarefa essencial para o crescimento saudável dessa família.    

É isso pessoal, se vocês tem o sonho de casar e viver para sempre juntos, precisam se esforçar para deixar o medo e individualismo de lado. Mesmo com todos os conflitos (que ninguém além de vocês precisa saber, vale ressaltar) internos e externos, lutem juntos. Sejam melhores amigos em primeiro lugar, assim o outro sempre vai estar te acompanhando, te ajudando e te entendendo.

Um beijo,

Melo.

Palavras do Noivo 2: E esse papo de casamento?

Um colega de trabalho me perguntou por esses dias: – Rodrigo, depois de quanto tempo de namoro vocês começaram a falar de casamento?

Conheci casais que namoraram por anos até tocarem no assunto pela primeira vez (alguns até acabaram antes que houvesse menção no assunto). Alguns casais só falam disso quando a relação torna-se mais “séria”. É natural que os relacionamentos sejam voltados para essa finalidade

Conosco, o casamento foi um assunto que surgiu muita naturalidade. Quando você encontra alguém, você simplesmente sabe. Agora vou entrar um pouquinho na nossa história.

Eu e Vanessa tivemos o que chamamos de um pré-namoro de uns 2 meses, que passamos nos conhecendo. Não foi premeditado nem programado. Simplesmente aconteceu, bem despretensioso. Nos conhecemos em 2004, mas nem nos falávamos. Éramos amigos no Orkut. Depois nos adicionamos no Facebook. E por conta de uma lesão no meu tendão, uma certa estudante de enfermagem puxou assunto comigo. Naturalmente descobrimos muita afinidade. Somos torcedores do Náutico (sim, isso é assunto pra outro capítulo), gostamos muito de filmes, de Teatro Mágico e de Nutella (piada interna para a noiva =]).

A medida que fomos nos conhecendo melhor, naturalmente surgia mais vontade de estarmos juntos. A amizade que criamos foi fundamental e até hoje é um dos pilares do relacionamento. Passamos a nos falar dia sim, dia não. As eventuais conversas de 15-20 minutos evoluíram para conversas diárias de 1-2 horas.

De conversas ao telefone, começava a surgir uma tal vontade de estar junto. Até quando Vanessa foi tirar o VEM no centro da cidade, eu fiz isso de pretexto para estar com ela. Eu manco e me recuperando de cirurgia, mas fazia de tudo para acompanhá-la. Um lanche no Subway e boas conversas.

De conhecidos, passamos para a amigos e depois para melhores amigos. E o namoro veio pouco tempo depois. E com 1 mês de namoro, eu já comecei a pensar em casamento. Claro que naquela época eu pensava em casar alguns anos pra frente. Era 2013 e eu pensava em casar lá pra 2016. Mas um certo dia, com algumas semanas de namoro, ela tocou no assunto.

Tomei um susto.

Mas não porque achava isso algo precipitado ou absurdo. Tomei o susto porque descobri que ela pensava do mesmo jeito que eu. Colocamos isso como foco naquele dia, mesmo sendo cedo. Ali eu já estava orando pelo nosso casamento. Lembro como se fosse hoje. Pouco tempo depois, pensamos em uma data. Ela sugeriu setembro de 2015. E eu adorei a idéia! Seria em mais de 2 anos. Mas eu já comecei a imaginar tudo, principalmente dos números e do lado financeiro. Fiz uma projeção do quanto iria receber, do quanto poderíamos economizar por mês. Ela também fez. Fui pro prédio dela bem tarde e ficamos conversando na área da piscina fazendo projeções financeiras para os 2 anos seguintes =D

Mas eis que tudo muda.

Long story short: recebi uma proposta de trabalho no exterior. E agora? E os planos? Oramos, conversamos bastante. Me aconselhei com a minha sogra. Decidimos que eu deveria ir, que seria bom pro nosso futuro. E sim, as decisões eram sempre nossas. Decidimos que decidiríamos todas as decisões juntos 😛

Depois de morar brevemente em Miami e NY, parei em Atlanta. Acabou que antecipamos a data do casamento 3 vezes, até fecharmos em 29/11 de 2014 e por conta disso, sabíamos que iríamos namorar 11 meses a distância. Mas topamos o desafio. Como eu disse lá em cima, nós simplesmente sabíamos.

Encarar o sacrifício da distância, tempo (e até fuso horário) não foi difícil. É claro que isso é minimizar o que passamos, mas a vontade de estar juntos sempre foi o catalisador. Saber que a espera tinha prazo de validade para acabar é um conforto, pois sempre nos encheu de esperança a perspectiva do início da nossa vida a dois.

E agora que faltam apenas 17 dias, olhamos para trás e observamos o quanto Deus nos ajudou. Tomamos um passo de fé, pois não tínhamos recursos e eram apenas 10 meses para planejar todo um casamento. Foi na raça! E é essa a dica que eu sempre dou: se você for esperar até ter todas as condições perfeitas para casar, você não vai casar nunca.